BahiaBelmonteBrasilCabráliaCamacanEunápolisGuaratingaInternacionalItabelaItabunaItagimirimItamarajuItapebiPorto SeguroTeixeira de Freitas
Por: Gutemberg Stolze
13/04/2021 - 06:56:09

 

 

Um estudo publicado nesta segunda-feira (12) pela Alzheimer's Association, localizada em Illinois, nos Estados Unidos, revelou que escovar os dentes pode ser um ato de higiene relacionado à prevenção do Alzheimer.

 

 

 

Isso porque os pesquisadores descobriram que pessoas com gengivite, inflamação da gengiva causada por uma placa bacteriana instalada no local, possuem níveis mais elevados de beta-amiloide, uma proteína muito perigosa encontrada no cérebro de pessoas que sofrem de Alzheimer.


 

 

Ao longo do tempo, essas proteínas vão se agrupando no cérebro dos indivíduos e formam placas que circundam algumas células nervosas lá presentes. Esta ação causa a inibição de algumas funções cerebrais e leva ao declínio cognitivo.

 

 

 

Como uma das maneiras de se evitar a gengivite é através da escovação dos dentes pelo menos duas vezes por dia, além do uso de fio dental e um acompanhamento frequente de dentistas, os especialistas entenderam que essa ação de higiene básica pode prevenir que, ao longo do tempo, essas pessoas desenvolvam Alzheimer.

 

 

 

Para fazer a constatação, os cientistas contaram com 48 voluntários com mais de 65 anos, uma vez que pessoas com essa faixa etária têm mais riscos de ter tanto doenças na gengiva, como a doença relacionada à perda de memória.

 

 

 

Durante os testes foram comparados níveis de bactérias consideradas boas com as entendidas como ruins, sendo as segundas ligadas à doença na gengiva, e que podem ser eliminadas com uma higiene bucal adequada. 

 

 

 

Os resultados mostraram que aqueles que tinham mais bactérias benéficas à saúde bucal também apresentaram menores quantidades das proteínas beta-amiloides no organismo, indicando que estes correm menos risco de desenvolver Alzheimer.

 

 

 

“Até onde sabemos, este é o primeiro estudo que mostra uma associação entre as bactérias encontradas em grande quantidade na gengiva e as proteínas beta-amiloides, biomarcadoras da doença de Alzheimer em idosos", revelou a Dra. Angela Kamer, pesquisadora da Universidade de Odontologia de Nova York e uma das autoras do estudo.

 

 

Por - Gutemberg Stolze / Imprensananet.com

 

Deixe seu comentário:

Copyright © 2014 Imprensananet - Todos os direitos reservados.
73 99913-8628 (vivo) / 98823-9662 (Oi) / 98155-2730 (Claro/WhatsApp) | contato@imprensananet.com